top of page
Buscar
  • elano53

Lucro líquido dos planos de saúde cai de R$ 3,8 bilhões para R$ 2,5 milhões, aponta ANS

Cenário é crítico e pode pesar no bolso dos beneficiários, com reajustes ‘mais salgados’.


Os planos de saúde registraram, no 4º trimestre de 2022, o pior desempenho econômico-financeiro desde o início da série histórica que monitora o segmento, em 2001. Os dados constam em balanço apresentado nesta segunda-feira (24) pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).


A FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar) considera o cenário crítico e alerta para o impacto nos reajustes dos planos de saúde. A divulgação do índice de reajuste dos planos individuais e familiares deve ocorrer em maio.


De acordo com os dados financeiros, o lucro líquido do setor despencou de R$ 3,8 bilhões para R$ 2,5 milhões no ano passado. Comparado com a receita efetiva de operações de saúde – principal negócio – de R$ 237,6 bilhões, o lucro do ano passado representa apenas 0,001%. Ou seja, para cada R$ 1.000 de receita, foi obtido apenas R$ 0,01 de lucro.


Os dados mostram que persiste a tendência anual no pós pandemia, desde 2021, com a deterioração dos resultados, especialmente em grandes operadoras, após o lucro recorde de R$ 18,7 bilhões em 2020, seguido de lucro de R$ 3,8 bilhões em 2021.


Considerando os números agregados por segmentos regulados pela ANS, o resultado do setor foi positivo para as administradoras de benefícios (R$ 555,57 milhões).


As operadoras exclusivamente odontológicas e médico-hospitalares, por sua vez, registraram prejuízo anual de R$ 47,3 milhões – 1,29% da receita efetiva de planos de odontológicos e R$ 505,7 milhões – 0,22% da receita efetiva de planos médico-hospitalares.

Esse dado negativo é inédito: para as odontológicas significa R$ 1,29 de prejuízo a cada R$ 100 de receitas efetivas de seus planos; e para as médico-hospitalares R$ 0,22 de prejuízo para cada R$ 100 de receitas efetivas de seus planos.


“Em linhas gerais, resultados podem ser explicados por aumento dos custos, mas, embora menos frequente, também podem ser gerados pela queda ou estagnação das receitas. No caso concreto do mercado de saúde suplementar, em uma avaliação preliminar, as despesas assistenciais não apresentaram crescimento que possa justificar o aumento da sinistralidade”, destaca, por nota, a ANS.


No entanto, a agência reforça que as receitas advindas das mensalidades parecem “estar estagnadas, especialmente nas grandes operadoras”. “Essa análise é compatível com o recente histórico do mercado de saúde suplementar: apesar do expressivo aumento de beneficiários desde o início da pandemia, a sinistralidade não foi tão bem controlada”, pontua.


Impacto no reajuste


Com prejuízo operacional de R$ 11,5 bilhões, os planos de saúde médico-hospitalares tiveram em 2022 o pior resultado desde 2001, ano que marca o início da série histórica da ANS.


Entre os fatores que impactam esses resultados estão:


  • o crescimento da frequência de uso dos planos de saúde;

  • o fim da limitação de consultas e sessões de terapias ambulatoriais com fonoaudiólogos, psicólogos, entre outros;

  • o aumento do preço de insumos médicos;

  • a obrigatoriedade de oferta de tratamentos cada vez mais caros, com doses a cifras milionárias;

  • a ocorrência de fraudes;

  • e a judicialização.

“A saúde suplementar sofre efeitos diretos do descompasso entre receitas e despesas e do aumento dos custos dos tratamentos de saúde, medicamentos, procedimentos hospitalares e terapias. Essa escalada deve impactar diretamente no índice de reajustes dos planos. Esse cenário coloca em risco o equilíbrio do sistema, o que pode levar à saída de milhares de beneficiários, sobrecarregando ainda mais o SUS”, explica Vera Valente, diretora-executiva da FenaSaúde. Apesar de o quarto trimestre ter apresentado prejuízo operacional menor em relação aos três anteriores, a entidade destaca que o setor já acumula 7 trimestres negativos seguidos.


Segundo a FenaSaúde, a relação entre receitas e despesas do setor vive um grande desequilíbrio. Entre 2021 e 2022, as receitas tiveram variação positiva de 5,6%, enquanto que as despesas das operadoras aumentaram na ordem de 11,1%.


“Precisamos buscar soluções que visem o uso racional dos recursos dos planos de saúde e promovam a eficiência operacional da saúde suplementar. E isso só será possível a partir da soma de esforços de todos os agentes da cadeia de serviços em saúde, como as operadoras, os prestadores de serviço e os fornecedores, com o apoio da própria sociedade, que é a principal beneficiada por um sistema que ajuda a desafogar o sistema público de saúde, oferecendo assistência médica a 50,4 milhões de pessoas”, finaliza a diretora-executiva da FenaSaúde.



5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page